Total de visualizações de página

sábado, 19 de abril de 2014

Da Solitude

Foi na Solitude que se plenificou a intimidade com o Paráclito.
Foi no silêncio, na calmaria, no despojar de minhas vestes que se fez enxergável a graça do Altíssimo, pois já não me fiz cativo de mim mesmo, mas inteiramente servo do Senhor.
Na ciência ou no pastoreio, no conhecimento ou no conselho, em tudo que o Altíssimo detiver essência, lá, pela sabedoria do discernimento advindo dEle, estarei a seguir e perseguir retamente tal caminho.
Que não seja parte de mim, pois sou Templo do Espírito Santo inteiramente, mas que seja na íntegra. Que não seja pouco ou de mal gosto, que seja com amor e não com síndrome de obrigação, que seja verdadeiro, assim como Ele é a própria verdade, e não uma mera busca de posar como uma falsa imagem idólatra em busca de holofotes, mas, como fez meu grande espelho São Paulo Apóstolo "Não sou eu quem vivo, mas o Cristo que vive em mim", "Sejam como eu sou, pois eu sou como o Cristo" não por egocentrismo, mas por enxergar essa verdade tão libertadora, tão passiva de amar incondicionalmente, tão cheia da vontade de desvencilhamento das coisas vãs, que não valem à pena, das coisas que me fazem cativo deste mundo, e que me fazem elevar o espírito a um estado singular, único, de Graça, isento de soberba e do que é corrupto e, logo, corrompedor de nossas virtudes e essência.


Obrigado por mais um dia, Amado Mestre. Estou à sombra de Tuas asas...


Muito obrigado pela graça de ser acolhido!! Amo-vos inteiramente.


Lelo Mendes - Ministério Jovem SE

Nenhum comentário:

Postar um comentário