Total de visualizações de página

sábado, 13 de agosto de 2011

Sentir...

É engraçado como, depois de algum tempo afundado num mar de nada, se consegue escrever... feito um incipiente...
As palavras vêm meio tímidas... repletas, até, de novidades. Claro, não são as mesmas de outrora, ainda que se repitam letra por letra.
A ambiência ainda não é propícia. É como nascer... Morrer e dar lugar, alimento, vida a alguém que virá, assim como fazem as plantas, cujas sementes morrem para dar lugar ao que há de vir...
Isso ainda não é o que deveria ser...
Certamente o será quando for a hora oportuna...

...

 Engraçado... o pensamento inicial estava propício à reflexão... no entanto, até o clima fora transformado. Levei alguns minutos buscando a devida "ambiência" da inspiração... E não encontrei...
Isso ainda não é o que seria o "engraçado" da história... mas, a idéia retornou ao estado inicial de inspiração... o contexto emocional fora transformado, dando uma volta imensa até encontrar com o que, de fato, estava conexo com o devido sentimento.
Eis, portanto, o sentimento...

...


Fazia muito tempo que não escrevia nada...
O diário estava abandonado há quase 3 meses...
Todo o torpor se esvaíra, dissipara-se como a luz que destrói a treva, como a fumana que se perde no ar, como a espuma das ondas que tocam a areia, como o tempo que não vai voltar...
Estava perdido... e, perdido, permanecera... até descobrir o que, de fato, havia de errado. Eis o problema: não havia. Sim, não haver é um problema imenso. "Não haver" é cair na estagnação de maneira absurda, pois não há como "não haver" sendo que somos responsáveis por tudo, das escolhas mais simples às mais complexas. Exato, eis o presente erro... Certamente haverá os que dirão que "necessariamente, 'não haver' não é um problema" ou "e quem disse que isso é um problema??"... Gosto d'um pressuposto muito interessante que diz "quando algo nos incomoda vindo de outrem, certamente é porque encontramos a consciência advinda d'um fato concreto". Quanto ao ponto citado, não adentrarei no tema... - Sentiu isso?
Havia muita coisa, enquanto não havia nada...
Saint Antoine du Exupèri, em "O pequeno príncipe", resolveu exatamente esse problema ao dizer "O essencial é invisível aos olhos"...
Por mais que nós lutemos a clássica batalha da vida, busquemos a essência de todas as coisas, sempre haverá a eterna luta pela essência... - Sentiu isso?
Há alguns dias assisti um filme incrível, tão incrível que decidi partilhar com muitas pessoas... Chama-se "O som do coração". Belo. Não tive do que reclamar, senão, do final do filme... por dois motivos: o primeiro é que num dado momento o filme encerraria... e isso foi terrível! O segundo... O final aguçou meu coração. Eu queria mais... Aos que já o assistiram, meus parabéns! Que honra maravilhosa!! Aos que ainda não... e que são músicos... EU RECOMENDO!! É a essência sendo trazida aos nossos olhos... e, muitas vezes, permitimos que se vá... sem, sequer, saborear o delicioso gosto da essência... - Sentiu isso?


"Sentiu isso?"... É... estava lá o tempo todo... enquanto que, EU, não estava...


Tanto tempo perdido... há tanto que ser feito... entretanto, muito mais que isso, há muito que ser percebido... há muito que ser sentido... 
Sei que não são essas palavras que mudarão o mundo... Mas compreendi que preciso sentir... sentir... sentir... perceber... sentir... sentiu isso? 
Toda minha inspiração, tudo o que sentia estava sendo dizimado da face de mim, e eu não estava percebendo... Sendo músico... sendo ser SENSÍVEL às notas... às escalas... à toda harmonia... estava mecânico e não percebera...
É fato: estava andando sem direção para lugar algum... até que se esvaísse toda inspiração e eu me destruísse...
Há algumas semanas tenho buscado o silêncio... Deparei-me com os santos Salmos... e fui contornando o problema até que fosse estirpado... Comecei a... é, exatamente isso...
Sentir... é tão fundamental quanto respirar... pois, até, de ar nós SENTIMOS falta... também sentimos falta do ar... do ar daqueles tempos.... dos lugares... das fotografias... de como as coisas eram... e de como foram vividas... Saudade... sentir... 
...Sentiu isso?...


Paz e bem a todos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário